28 de jun de 2012


Título original: Why we broke up
Editora: Cia das Letras
Autor: Daniel Handler
ISBN: 9788535920239
2012, 1ª edição, 368 páginas


Acredito que vocês saibam quem é Lemony Snicket, autor de Desventuras em Série. Bom, ele é Daniel Handler. Mas não esperem de “Por isso a gente acabou” o mesmo tipo de leitura que “Desventuras em série” (não li ainda, mas pelo que pesquisei, tem nada a ver!).
“Por isso a gente acabou” é, na verdade, uma carta que Min escreve a Ed, com quem teve uma curta, mas intensa história de amor adolescente. Tudo isso se encerra dentro de uma caixa simples, com ingressos de cinema, tampinhas de garrafa e mais um lote de lembranças de um namoro que, a gente já sabe desde o início, acabou.
Por isso a gente acabou trata, com a comicidade típica do autor, de uma situação difícil pela qual todos um dia irão passar: o fim de uma relação amorosa e toda a angústia, tristeza e incerteza que essa vivência pode gerar. Min Green e Ed Slarteron estudam na mesma escola e, depois de apenas algumas semanas de convívio intenso e apaixonado, acabam o namoro. Depois de sofrer muito, Min resolve, como marco da ruptura definitiva, entregar ao garoto uma caixa repleta de objetos significativos para o casal junto com uma carta falando sobre cada um desses objetos e do episódio que ele representou, sempre acrescentando, ao final, uma nova razão para o rompimento. Essa carta é o texto de Por isso a gente acabou, que é, assim, carregado de um tom informal e tragicômico - características da personagem - e traduz com um misto de simplicidade e profundidade a história de uma separação. Imerso neste universo adolescente, o leitor conhecerá a divertida personalidade de Min, uma garota apaixonada por filmes cujo sonho é ser diretora de cinema, e as idas e vindas deste romance, desde o dia em que os dois conversaram pela primeira vez até o instante em que tudo acabou. A artista Maira Kalman, autora de diversas capas da revista The New Yorker, ilustrou cada um dos objetos da narrativa, trazendo cor e descontração a esta história dolorida.
A Cia das Letras fez um trabalho lindo “remontando” a caixa onde Min põe todos os motivos pelos quais ela e Ed acabaram. A coisa mais linda, sério. As ilustrações do livro são lindas e são praticamente imprescindíveis à leitura.
O livro é escrito do ponto de vista de Min (e não podia ser diferente, já que se fosse pelo de Ed, grrr, ia ser tão pobre que caberia num post-it – palavras do Mr. Handler, sorry). A narrativa de Daniel é realmente muito boa de acompanhar, flui de uma maneira despretensiosa, em que a gente se pega sentindo tudo que Min sente.
“Estou escrevendo, nesta carta, toda a verdade sobre o que aconteceu. E a verdade é que, porra, eu te amei demais.”
Pra falar a verdade, a história em si não me ganhou. Não tinha potencial nenhum pra me ganhar, desde o princípio. Garota ingênua “das artes” apaixonada pelo carinha mais popular etc e tal... Fala sério. O que me ganhou foi o jeito de explicar cada objeto “sem importância” pra Ed porque era cheio de significância pra Min. E me tocou o fato de eu mesma fazer isso com várias coisas na vida, dar valor a lembranças, pequenas falas e toques descuidados que marcam a memória de uma garota (por mais idiota que isso seja, a maioria de nós se agarra a pequenas coisas). Afinal, são os detalhes que fazem a diferença.
Assim, o livro em si não é uma leitura que mude sua vida, mas é bom. ;)
Conheçam o site oficial do livro (lindinho) http://whywebrokeupproject.tumblr.com/

Nasceu em 1970, em San Francisco, EUA, onde mora até hoje. Sob o pseudônimo de Lemony Snicket, publicou Raiz-forte e a coleção Desventuras em Série, pela Cia. das Letras, e os livros Lemony Snicket: autobiografia não autorizada e O pedacinho de carvão, pela Companhia das Letrinhas.



2sleep