6 de abr de 2012

Título original: The house of special purpose
Editora: Companhia das Letras
Autora: John Boyne
ISBN: 9788535917109
2010, 1ª edição, 456 páginas


Sabe ‘O menino do pijama listrado’? Sabe ‘Noah foge de casa’? Sabe ‘O garoto no convés’? Pois é, O palácio de inverno é do mesmo autor! Assim, a sinopse oficial conta TUDO e mais um pouco do livro, então cortei umas partes pra vocês conhecerem o romance histórico de John Boyne no geral:
Aos dezesseis anos, em ação impulsiva e atabalhoada,  Geórgui Jachmenev impediu um atentado contra a vida de ninguém menos que o grão-duque Nicolau Nicolaievitch, irmão do czar Nicolau II, que, agradecido, nomeou Geórgui o guarda-costas oficial de seu filho Alexei, destinado a ser o próximo czar. A dura experiência com esse mundo gélido de intrigas palacianas, às quais sempre era jogado contra sua vontade, e de grandes tensões e responsabilidade só foi apaziguada com a chegada do primeiro amor, Zoia. Mas os tempos eram agitados: quando a Revolução Bolchevique tomou de assalto o país, e isolou toda a família do czar numa casa de campo nos arredores de Ekaterinburg, mais uma vez Geórgui teve de agir rápido a fim de salvar a si e a Zoia. A vida com ela lhe custaria pátria, família e prestígio, e ele jamais se arrependeu disso - mas e para Zoia, o que teria custado?
Depois desse ato heroico de Geórgui de salvar o primo do czar, sua vida nunca mais seria a mesma. E é o que ele conta, já idoso e morando em Londres, tendo que cuidar do amor de sua vida, Zoia, sua esposa que está doente.
Apesar de a ambientação das lembranças de Geórgui ser na revolução russa que deu origem à Rússia dos bolcheviques (sendo esta o motivo pelo qual ele fugiu do país natal), a história é de um garoto simples, vindo de uma aldeia simples, ao qual coisas complexas aconteceram. Fora a parte final do livro em que algumas cenas violentas foram descritas, o resto do livro me deu a sensação de estar olhando uma foto em vintage. Entendem o que quero dizer? Ele está apreciando e/ou depreciando as escolhas que fez ao longo da vida, não necessariamente descrevendo a história da revolução, mas que acontecimentos impactaram a vida dele no contratempo.
É uma história sobre construção de caráter, amor, família e, por que não dizer, culpa. Apesar de todos os erros que ele tem consciência de ter cometido, o amor que sente por Zoia acaba por guiar sua vida e o transformando no homem firme, apaixonado e honrado que conhecemos ao longo do livro.
A escrita não-linear dá a impressão de que o final surpreende, quando na verdade não o faz. Fica meio óbvio o ‘segredo’ da história, mas nada que faça com que a descoberta seja decepcionante.
Gosto muito quando um autor pega um tema ‘da realidade’ e o transforma em ficção. Lógico: você não precisa ser um historiador ou um grande conhecedor da área pra gostar de O palácio de inverno, mas se tiver ao menos uma vaga noção, a leitura fica ainda mais majestosa e digna de respeito. Meu respeito a você, John Boyne.
 

John Boyne (nascido em 30 de abril de 1971) é um romancista Irlandês. Ensinou língua inglesa no Trinity College, e Literatura Criativa na Universidade de East Anglia, onde foi galhardoado com o prêmio Curtis Brown. Já escreveu cinco romances e está escrevendo (em 2007) o sexto, assim como uma quantidade de contos que foram publicados em várias antologias e transmitidos por rádio e televisão. Seus romances foram publicadas em 29 idiomas. The Boy in the Striped Pyjamas é um "mais vendido" em Nova York e uma adaptação para o cinema começou a ser filmada em abril de 2007. Boyne reside em Dublim.

2sleep