30 de dez de 2010
3 revelations
Desde o último dia 1º de janeiro os amantes da leitura têm um novo canal para compartilhar suas preferências e conhecer os hábitos de leitura de outras pessoas. Esse canal é o site Skoob (www.skoob.com.br), que significa Books (livros, em inglês) ao contrário.
A ideia surgiu numa ocasião em que o analista de sistemas Lindenberg Moreira, de 32 anos, discutia com amigos sobre os seus gostos literários e sobre o que cada um estava lendo naquele momento. Apesar do pouco tempo de existência do site, já são mais de 15 mil usuários cadastrados.
De acordo com Lindenberg, o Skoob tem como objetivo principal, socializar o ato de ler. “A leitura geralmente é algo solitário. Ler um bom livro é maravilhoso e poder compartilhar essa leitura com outras pessoas deixa tudo ainda mais fascinante”, destaca o criador do portal.
Ao se cadastrar no site, a primeira coisa que o usuário precisa fazer é montar a sua estante virtual. Para isso, a pessoa vai realizando buscas pelos livros e depois clica no botão "adicionar". O usuário irá escolher então uma das seguintes opções: li, estou lendo, vou ler, relendo e abandonei. Montada a estante virtual, o usuário pode começar a escrever as suas resenhas, descobrir quais dos seus amigos leram o mesmo livro e o que eles acharam, pode fazer comentários em resenhas de outras pessoas e também escrever o histórico de leitura do livro que está lendo. O histórico de leitura permite que o usuário diga o que está achando até uma determinada página do livro, fazendo um pequeno comentário e estipulando uma nota para as páginas lidas até o momento.
Diferentemente de outras redes sociais, que focam apenas na questão do relacionamento, o Skoob possui um grande apelo cultural. Para Lindenberg Moreira, o site é uma ótima ferramenta para estimular a leitura nas escolas e universidades.
Acho a rede totalmente digna, primeiro por que é brasileira, segundo por que não deixa morrer a vontade de ler, compartilhar e comparar com outras pessoas o que você gosta de ler. Prova de que as duas realidades de leitura (impressa e online) podem coexistir (não que o skoob seja pra você ler lá, mas querendo ou não o livro em papel não morre nunca! isso que eu quis dizer Smiley de boca aberta)
Seguinte, pessoal que gosta de ler, ENTRE, faça seu perfil e me adicione aqui: http://www.skoob.com.br/usuario/165732 haha



Boas festas!

27 de dez de 2010
3 revelations

O livro que comecei a ler depois de A Menina que Roubava Livros carregava nas páginas a grande responsabilidade de não me decepcionar… Isso por que o romance de Markus Zusak foi 4 “estrelinhas” na minha escala de 5 entre o ruim e o ótimo; isso quer dizer: muito bom.
O negócio é que eu já comecei a ler pensando que ia me arrepender por que eu simplesmente ODEIO livros de autoajuda. E, vamos encarar os fatos, todo mundo encaixa essa crônica de Liz Gilbert naquele gênero. E não é nem isso… geralmente os “best-sellers” são kindda um rótulo que diz: não. me. leia.
Mas não deixei de ler esse livro só por que ele tem “seja você também a heroína de sua própria jornada” na capa. Foi difícil, mas eu dei o benefício da dúvida!
Aclamado pelo The New York Times como um dos 100 livros notáveis de 2006, com mais de 40 milhões de exemplares vendidos e escolhido pela Entertainment Weekly uma das melhores obras de não-ficção do ano, Comer, Rezar, Amar é a história de Elizabeth Gilbert, mulher de meia idade que tinha tudo o que qualquer mulher de meia idade poderia querer: um marido que a amava, uma casa grande recém comprada, a iminência do projeto de ter filhos e uma carreira de sucesso. Uma vida que podia se solidificar ali. Como acontece na maioria das famílias normais, e, principalmente, norte americanas. Mas ela sentia que não tinha nascido para aquilo. Estava infeliz e não realizada… o maior sonho de qualquer americana na casa dos 30 era ter a visão de futuro que ela possuía, e ainda assim, não era o SEU sonho.

Foi então que ela decidiu se divorciar (e nunca pensou que fosse ser tão difícil); passando desde uma depressão debilitante a um desmedido amor por David, que ela acreditava ser sua alma gêmea*(we'll talk about this later!). Para encontrar seu ‘eu’, a paz e o amor de Deus, Liz resolve passar um ano viajando para explorar o PRAZER (Itália), a arte da DEVOÇÃO (Índia) e a arte de EQUILIBRAR as duas coisas (Indonésia).
Em Roma, aprendeu a falar italiano e engordou os onze quilos mais felizes de sua vida. Na Índia dedicou-se à exploração espiritual e, com a ajuda de uma guru indiana e de um caubói texano surpreendentemente sábio (que a chamava de ‘Sacolão’ haha) ‘sentou na palma da mão de Deus’. Já em Bali, exercitou o equilíbrio entre o prazer mundano e a transcendência divina. “Tornou-se discípula de um velho xamã, e também se apaixonou da melhor maneira possível: inesperadamente.” não, essa frase não é minha! kkkkkkkkkkk
E é isso… pra o que eu achava ser um autoajuda sem graça o livro foi BOM! Smiley de boca aberta Quero ver o filme com Julia Robert depois. (dar a velha comparada!)

26 de dez de 2010
4 revelations
Lembram do filme que eu citei há uns meses Black Swan? Pois é, já assisti e vou contar uma coisa: superou minhas expectativas. Só por que tem a ver com ballet não se prenda ao clichê 'barbie e as doze princesas bailarinas' ou 'barbie e o quebra nozes'.
Um dos filmes com abordagem psicológica mais excitante que já vi na vida, sem exagero!

Vale muitíssimo a pena assistir! Sério, fui dormir às 4h da manhã porque fui inventar de fazer o download e esperar pra assistir a esse filme essa noite... não me arrependo! Não tive  sono, e eu não sei se isso tem a ver com o fato de eu ser uma aspirante a bailarina e ficar me perguntando se aquela mulher dançando é MESMO Natalie Portman (ah, eu amo essa mulher, não só porque ela é linda, mas principalmente por V for Vendetta kkkkkkkk), e analisando cada pas de chat, courus ou de bourrée que ela fazia! Hahaha E guess what? Ela começou a treinar 1 ano antes do filme! Fez 6 meses do que ela chamou "really basic ballet", e quando o filme começou a chegar perto, ela nadava "1 mile a day" e dormia só 5 horas por dia! ;O É claro que não tem como ser ela em todas as cenas... ballet clássico é ballet clássico, né? kkkkkk =x Mas tá lindaaa!

Sou fã dessa mulher, espero que ela ganhe o Oscar e tudo o mais (ela foi indicada a concorrer como melhor atriz no Globo de Ouro e no Screen Actor Guild Awards)! E Black Swan foi indicado a concorrer como 'melhor filme' no Globo de Ouro; assim como melhor direção de Darren Aronofsky (diretor de Requiem For a Dream); Mila Kunis como melhor atriz coajduvante no SAG Awards.

p.s.: O filme é ESMAGADOR. Mas muito bom! A única parte do filme que eu fiquei realmente irritada foi na boate com Lily. Eu quase tava ficando muitxo doida junto com elas e aquelas luzes kkkkkkkk Sério, eu quase não entendia o que a cena queria passar. No mais... PERFEITO.




...and she just wanted to be perfect.

23 de dez de 2010
3 revelations
Talvez alguns de vocês não conheçam essa 'rede social' musical. Mas eis me aqui, again, pra recomendar que todos tenham um lastfm JÁÁÁ!

Lastfm, você. Você, lastfm. O prazer é meu! :D

Last.fm é um site com função de rádio online agregando uma comunidade virtual com foco em música. Em tal comunidade, são trocadas informações e recomendações sobre o tema. Last.fm constrói um perfil detalhado do gosto musical de cada usuário, reunindo e exibindo suas músicas e artistas favoritos numa página feita com as informações coletadas e gravadas por um plugin - Scrobble - do próprio site instalado no aplicativo de execução de música (media player, itunes, winamp, etc) do computador do usuário.


Enfim, se quiser saber mais da história, procura a tia Wiki... Mas o lastfm, pra mim, é ÓSSOM (anham, eu quis dizer awesome -.-)!

Você vai mostrar a todo mundo o que tem ouvido na última semana, nos últimos três, seis, doze meses... ou pelo tempo que quiser!É isso aí! Façam um lastfm e me adicionem, plis* (emoticon característico de Cexy kkkkk) 

16 de dez de 2010
Liesel Meminger é a menina que nossa narradora — a morte — encontrou três vezes. A garotinha conseguiu tapeá-la nas três.
Impressionada, a ceifadora de almas decide nos contar sua trajetória, pois, como ela mesma diz, em seu ramo de trabalho, o único dom que lhe salva é a distração. Ela mantém sua sanidade.

Apresentando

A Alemanha nazista.
Uma menina com um irmão morto.
Um livro preto com letras prateadas.
Neve.
Dois pais de criação.
A mulher com punhos de ferro.
O enrolador de cigarros.
Um judeu escondido no porão.
Palavras…
…e bombas.
. Eis um pequeno fato .
Você vai morrer.
A pergunta é: qual será a cor de tudo nesse momento em que eu chegar para buscar você? Que dirá o céu?
. Uma pequena teoria .
As pessoas só observam as cores do dia no começo e no fim,
mas, para mim, está muito claro que o dia se funde através de uma multidão
de matizes e entonações a cada momento que passa.
Uma só hora pode constituir em milhares
de cores diferentes — amarelos céreos, azuis borrifados de nuvens. Escuridões enevoadas.
No meu ramo de atividade, faço questão de notá-los.
Primeiro aparece uma coisa branca. Do tipo ofuscante. É muito provável que alguns de vocês achem que o branco não é realmente uma cor, e todo esse tipo batido de absurdo. O branco é sem dúvida uma cor e, pessoalmente, acho que você não vai querer discutir comigo.
. Um anúncio tranqüilizador .
Por favor, mantenha a calma, apesar da ameaça anterior.
Sou só garganta…
Não sou violenta.
Não sou maldosa.
Sou só um resultado
Ei, acorde! Ela não está atrás de você, ela sequer procura você. Ela só chega quando é tarde demais. E faz o seu trabalho.
Como eu falei, parece muito mais humano passar as sensações que um livro possa trazer.
Alegria.
Ternura.
Tristeza.
Euforismo.
Solidão.
Orgulho.
Medo…
…e a Morte.
Foi nos livros que Liesel viu a oportunidade de fugir daquilo tudo que a perseguia. Ela esquecia do irmão morto com um olho aberto, no chão do vagão do trem.
Ensinaram-na a ler. Um certo enrolador de cigarros e um acordeonista.
No abrigo, durante os bombardeios, ela sacudia as palavras para manter todos mais calmos. E longe de mim. Era a sacudidora de palavras.
Até que um dia ela escreveu seu próprio livro.
Até que um dia as sirenes não tocaram para avisar sobre as bombas.
Até que um dia a rua Himmel foi devastada.
Até que um dia só sobrou a menina que roubava livros nos escombros de um porão raso demais para suportar.
Uma sobrevivente.
Um acordeão quebrado.
Um beijo tarde demais.
Um livro perdido e devolvido em tempo.
Venha comigo, quero lhe contar uma história. Vou lhe mostrar uma coisa.
. A nota final de sua narradora .
– Os seres humanos me assombram.
P.S.: Isto não é uma resenha haha, na verdade, não sei onde encontrei...


2sleep